sábado, 3 de março de 2007

Descreva um local que a fascine


A minha casa.
Gosto de chegar a casa: abrir a porta, abrandar e segurar a porta fortemente e, em câmara lenta, encostá-la. Pé ante pé, olho em redor, nunca está ninguém.
Sinto o intenso odor no ar... canela.
Fecho os olhos e reconheço cada cheiro como meu…
Pouso as malas.
A janela permanece aberta, seja Inverno ou não.
Ligo o rádio e o rosto é atraído para uma parede branca e nua, em que apenas um fio de luzes se faz notar. Ligo-as e iluminam-me, dizem-me que não estou só.
Em todo o lado: vidros, e neles imagens a preto e branco (que dizem um pouco de mim…)
Uma foca preguiçosa.
Um solitário candeeiro de rua.
Um corpo (sem rosto) de uma mulher nua com um piercing no mamilo.
Um relógio de bolso muito antigo.
Uma paisagem sombria e nevoeiro e um banco perto de um lago.
Uma estrada onde surgem dois caminhos.
Cultivo de arroz. Uma bicicleta.
A ribeira do Porto e dois corpos que se agarram e amam…

Adormeço sempre a sorrir.

Gosto de estar em casa.

19 Dezembro 2006

Um comentário:

Abssinto disse...

Então...benvinda a casa:)

beijos, feliz 2007

Visitantes: